ACHE AQUI O SEU PROFISSIONAL DE SAÚDE!
Médico Dentista Fisioterapeuta Nutricionista Fonoaudióloga Psicólogo Enfermeira Terapias Alternativas Personal Trainer Veterinário

Cadastro gratuito para os profissionais de saúde. Clique aqui.

  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer

Edição Impressa
Assine nossa newsletter:
cadastrar
Participe da nossa enquete:
Melhor região do Brasil para tirar as Férias?












votar
ver resultado


Diagnóstico precoce pode ser determinante na qualidade de vida do paciente com mieloma múltiplo

23/01/2018 | Visualizações: 815
Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer
Dê a sua nota:
Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer



Apesar de ser um câncer incurável, o diagnóstico precoce permite a convivência com a doença

É sabido que o diagnóstico precoce impacta diretamente para um bom prognóstico em qualquer doença. Mas em casos daquelas que ainda não apresentam cura, como o mieloma múltiplo, esse pode ser um ponto determinante para o futuro do paciente. Para isso, é preciso conhecer quais são os primeiros sinais da doença e como é possível identificá-la o quanto antes. O mieloma múltiplo é um câncer de medula óssea que se manifesta quando há um crescimento de forma desordenada dos plasmócitos, células do sangue pertencentes ao sistema de defesa do organismo1. Dr. Walter Braga, hematologista responsável pelo Ambulatório de Mieloma Múltiplo da Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina – UNIFESP/EPM, explica que quando essa mesma célula é identificada como cancerosa, denomina-se como célula do mieloma e acaba por comprometer o funcionamento saudável do organismo e, então, aparecem os sintomas.

De acordo com o médico, inicialmente, o mieloma múltiplo normalmente é confundido com outra doença. “Este tipo de câncer atinge uma faixa etária de indivíduos com mais 60 anos que, muitas vezes, apresentam doenças degenerativas ósseas inerentes ao envelhecimento. Muitos idosos também têm diabetes mellitus e hipertensão de longa data, que podem levar a alterações de função renal”, explica. Por conseguinte, este diagnóstico pode atrasar ainda mais.

Primeiros sintomas
Os sinais mais precoces, em geral, são anemia, que pode ser identificada por meio do hemograma; alteração de função renal, evidenciados na elevação de exames como ureia e creatinina; além das dores ósseas, principalmente na coluna1. No entanto, também existem manifestações mais aparentes. “Cansaço, palidez, alteração da urina, caso fique com espuma, e dores na região lombar, são alguns exemplos”, comenta Dr. Walter. Ainda assim, vale destacar que esta é uma doença excepcionalmente heterogênea e nenhum paciente é igual aos demais, justamente por envolver múltiplos fatores, não só clínicos, como também emocionais.

A importância do diagnóstico precoce e o convívio com a doença
A estabilidade do quadro do paciente está diretamente ligada ao estágio em que a doença é identificada. “Quanto mais cedo for o diagnóstico, maior a chance de um convívio com menos sequelas e dependências”, conta o hematologista. “Em geral, os pacientes que têm diagnóstico precoce levam uma vida normal sem necessidade de maiores cuidados”, complementa. Com o início do tratamento, geralmente, a anemia desaparece e o cansaço melhora, mas as dores ósseas podem permanecer levando à necessidade do uso de medicamentos para dores crônicas. Estar em contato periódico com o hematologista é essencial. O acompanhamento com uma equipe multidisciplinar também é importante. Dr. Walter sugere um grupo de suporte que contemple um psicólogo, um médico especialista em dor, profissionais da enfermagem, acupunturista e fisioterapeuta, “todos são grandes aliados no controle da dor crônica” continua.

O médico ressalta ainda a importância de divulgar informações sobre a doença como forma de serviço à população. “Exames para o diagnóstico podem ser solicitados por qualquer médico, ou seja, conseguimos fazer a diferença na vida dessas pessoas, precisamos apenas de mais conhecimento sobre o tema”, finaliza Dr. Walter.

Sobre a Takeda
Sediada em Osaka, Japão, a Takeda é uma companhia farmacêutica global que investe em pesquisa e inovação para comercializar mais de 700 produtos em 70 países, sendo especialmente forte na Ásia, América do Norte, Europa e Mercados Emergentes, incluindo América Latina, Rússia-CIS e China. Fundada há mais de 230 anos, é hoje uma das 15 maiores farmacêuticas do mundo e a número 1 no Japão, graças ao esforço contínuo de seus 31.000 colaboradores em lutar pela melhoria da saúde e um futuro mais brilhante das pessoas em todo o mundo, por meio da liderança na inovação de medicamentos. Com a integração da Millennium Pharmaceuticals e da Nycomed, a Takeda vem se transformando, aumentando sua expertise terapêutica e alcance geográfico.

A Takeda tem duas fábricas instaladas em território nacional - Jaguariúna (SP) e São Jerônimo (RS), contando com quase 2.000 colaboradores. A área de MIPs (medicamentos isentos de prescrição) possuí medicamentos que são líderes no mercado e representam 48% do faturamento da companhia, que tem no portfólio produtos conhecidos como Neosaldina® (analgésico), o remédio para dor de cabeça mais vendido do Brasil5; Eparema/Xantinon® (digestivos), que juntos demandam mais de 90 milhões de reais6; Nebacetin® (antibactericida), a marca preferida pelos brasileiros para ferimentos7, e MultiGrip® (antigripal), o medicamento mais vendido do Brasil para o tratamento dos sintomas da gripe8. Na área de prescrição médica, as principais especialidades atendidas pela Takeda são: gastroenterologia, cardiometabólica e imunologia, além da oncologia, lançada em 2015.

A afiliada no Brasil adquiriu em julho de 2012 o laboratório nacional Multilab - com portfólio focado em MIPs, genéricos e genéricos de marca – com o objetivo de diversificar a carteira de produtos da companhia e aproximar-se ainda mais da nova classe média.
Para mais informações sobre a Takeda, consulte o site: http://www.takedabrasil.com

Referências
1- International Myeloma Foundation (Internet) - Disponível em http://www.mielomabrasil.org/faq.php . Acesso em 28 de novembro de 2017.
2- Instituto Oncoguia (internet) - Disponível em http://www.oncoguia.org.br/conteudo/entrevista-presidente-da-abrale-discute-cenario-do-mieloma-multiplo-no-brasil/4138/8/ Acesso em 04 de setembro de 2017.
3- International Myeloma Foundation (Internet) - Disponível em http://www.mielomabrasil.org/faq.php#. Acesso em 04 de setembro de 2017.
4- IMS Health do Brasil Classe N02b – MAT Mai/16
5- IMS Health do Brasil - MAT Mai/16
6- IMS Health do Brasil Classes D06A0; D08A0 e D04A0 - MAT Mai/16
7- IMS Health do Brasil Classe R05A0- MAT Mai/16


 
tags:






Comentários (0):


ANTES DE ESCREVER O SEU COMENTÁRIO, LEMBRE-SE:
Todo e qualquer comentário postado neste site é de exclusiva responsabilidade do autor. Comentários com conteúdos impróprios, obscenos ou que não tenham relação com o conteúdo serão excluídos. Dê a sua opinião com responsabilidade!
Comentários

Deixe o seu comentário:

Nome:


E-mail (não será publicado):


Mensagem:


enviar















Siga-nos nas Redes Sociais