Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/gussan15/mktnova-1.com/saudelazer/noticias-comentarios.php:5) in /home/gussan15/mktnova-1.com/saudelazer/includes/metas2.php on line 5
Revista Saúde & Lazer - Notícia na íntegra



ACHE AQUI O SEU PROFISSIONAL DE SAÚDE!
Médico Dentista Fisioterapeuta Nutricionista Fonoaudióloga Psicólogo Enfermeira Terapias Alternativas Personal Trainer Veterinário

Cadastro gratuito para os profissionais de saúde. Clique aqui.

  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer

Edição Impressa
Assine nossa newsletter:
cadastrar
Participe da nossa enquete:
Melhor região do Brasil para tirar as Férias?












votar
ver resultado


Candidíase intestinal - infecção por fungos que pode ser fatal

10/06/2017 | Visualizações: 1147
Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer
Dê a sua nota:
Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer



A candidíase intestinal trata-se de uma infecção fúngica. As partes mais afetadas são os órgãos genitais, cavidade oral e intestino. Os sintomas são difíceis de serem identificados, e muita das vezes estão relacionadas com outras doenças e condições no corpo. Contudo, a causa é decorrente do aumento da população do fungo, que começa a liberar toxinas, comprometendo o funcionamento do sistema digestivo e outros sintomas não diretamente relacionados, como a acne, queda de cabelo, dor nas juntas, dor de cabeça, cansaço excessivo, tontura, depressão, ansiedade e entre outros.
 
De acordo com ginecologista obstetra e clínico geral da CISE – Clínica Integrada Santo Expedito, José Karam, a cândida é um fungo hospedeiro que pode se proliferar em qualquer órgão do corpo humano, mas os órgãos genitais, cavidade oral e o intestino são regiões mais afetadas. “A candidíase não se pega, pois é uma doença comum que ocorre quando o fungo cândida, que já vive normalmente em nosso corpo, encontra oportunidade de reprodução em excesso”, explica o especialista.
 
O especialista revela também, que este tipo de infecção fúngica merece cuidados especiais e um tratamento específico. “A candidíase pode ser fatal se atingir tecidos, órgão internos ou a circulação sanguínea. Portanto, é imprescindível compreender os fatores que desencadeadores da doença e tratá-la a tempo”, revela Karam.
 
Sintomas comumente associados com a candidíase intestinal são, na realidade, sintomas da doença original, que está, dentre esses quadros clínicos, causando também candidíase. Ou seja, a candidíase é apenas um sintoma e, sendo assim, não deve ser tratada diretamente. Intolerâncias alimentares, doença celíaca, diverticulite, doença de Crohn, alergias, colite ulcerativa, e muitas outras doenças podem causar sintomas que causam candidíase como efeito colateral. O paciente então começa a acreditar que seu problema é candidíase e ignora completamente a possibilidade de que tenha uma doença muito mais séria.
 
Fatores desencadeadores da cândida intestinal podem incluir desde o uso de medicamentos como antibióticos, Roacutan, contraceptivos orais ou até mesmo o consumo excessivo de açúcar, massas e álcool (principalmente cerveja). Além disso, o sistema imunológico enfraquecido, favorece o crescimento de fungos da cândida, visto que existem menos anticorpos para impedir a proliferação. 
 
Diagnóstico e Tratamento
Um simples exame de sangue pode ser suficiente para diagnosticar um aumento do nível de anticorpos contra a Cândida. Para o diagnóstico serve um exame médico em que o paciente diz os sintomas e sinais de que sofre.
O Tratamento da Candidíase Intestinal pode ser feito com medicamentos antifúngicos orais. A dose depende do tipo de antifúngico oral usado, a gravidade do problema e se o paciente está internado ou não.
Do ponto de vista médico, a candidíase intestinal é uma doença que merece cuidados, portanto, é aconselhável consultar o especialista, uma vez que os sintomas podem se tornar desgastantes, e capazes de comprometer a qualidade de vida da pessoa. “É Imprescindível que o médico se mantenha bem informado sobre o histórico do paciente, por meio de um estudo detalhado, já que cada organismo reage de maneira diferente, e nem todos os sintomas podem estar evidentes”, conclui Karam.

 
tags:






Comentários (0):


ANTES DE ESCREVER O SEU COMENTÁRIO, LEMBRE-SE:
Todo e qualquer comentário postado neste site é de exclusiva responsabilidade do autor. Comentários com conteúdos impróprios, obscenos ou que não tenham relação com o conteúdo serão excluídos. Dê a sua opinião com responsabilidade!
Comentários

Deixe o seu comentário:

Nome:


E-mail (não será publicado):


Mensagem:


enviar















Siga-nos nas Redes Sociais