Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/gussan15/mktnova-1.com/saudelazer/noticias-comentarios.php:5) in /home/gussan15/mktnova-1.com/saudelazer/includes/metas2.php on line 5
Revista Saúde & Lazer - Notícia na íntegra



ACHE AQUI O SEU PROFISSIONAL DE SA√öDE!
Médico Dentista Fisioterapeuta Nutricionista Fonoaudióloga Psicólogo Enfermeira Terapias Alternativas Personal Trainer Veterinário

Cadastro gratuito para os profissionais de saúde. Clique aqui.

  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer

Edição Impressa
Assine nossa newsletter:
cadastrar
Participe da nossa enquete:
Melhor região do Brasil para tirar as Férias?












votar
ver resultado


Por que consumir alimentos org√Ęnicos?

26/01/2017 | Visualizações: 801
Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer
Dê a sua nota:
Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer



O especialista em controle de qualidade dos alimentos Fábio Portella, professor do Instituto de Desenvolvimento Educacional, explica os benefícios, mitos e verdades
A maioria das pessoas vem ouvindo com mais frequ√™ncia sobre os alimentos org√Ęnicos nos √ļltimos anos. Mas o que realmente s√£o? E por que os consumir? O professor da p√≥s-gradua√ß√£o em Controle de Qualidade dos Alimentos do *Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE) **F√°bio Portella explica que alimentos org√Ęnicos, seja in natura ou processados, s√£o oriundos de um sistema org√Ęnico de produ√ß√£o, que dispensa o uso de insumos, como pesticidas sint√©ticos, fertilizantes qu√≠micos, medicamentos veterin√°rios, organismos geneticamente modificados, conservantes, aditivos e irradia√ß√£o. Por√©m, o especialista alerta que deve-se ainda considerar os contaminantes ambientais, inerentes √† √°rea do plantio ou cria√ß√£o, que entrar√£o em contato com o alimento. ‚ÄúApesar de muita gente pensar que se trata apenas de um alimento sem agrot√≥xicos, a defini√ß√£o de org√Ęnico √© muito mais ampla, englobando o manejo de forma equilibrada do solo e demais recursos naturais, como √°gua, ar, radia√ß√£o solar, solo, topografia, clima, biodiversidade tanto, vegetal como animal e microbiana, conservando-os no longo prazo e mantendo a harmonia desses elementos entre si e com os seres humanos‚ÄĚ, explica.

Para uma ‚Äúverdadeira‚ÄĚ produ√ß√£o alimentar org√Ęnica vegetal, o plantio deve ocorrer atrav√©s da utiliza√ß√£o de fertilizantes (adubos), corretivos e defensivos agr√≠colas de origem natural e local, sem subst√Ęncias sint√©ticas t√≥xicas, al√©m da utiliza√ß√£o de sementes produtivas selecionadas a partir de um banco de sementes local. J√° para produtos de origem animal, aten√ß√£o deve ser dada √† alimenta√ß√£o, pois agrot√≥xicos podem se acumular no tecido adiposo destes animais e ser consumido pelo ser humano.Sobre os riscos do consumo a longo prazo de alimentos com uso de agrot√≥xicos, pesticidas e demais insumos sint√©ticos utilizados em plantios, F√°bio Portella esclarece que eles possuem diversos efeitos nocivos √† sa√ļde. ‚ÄúEntre os malef√≠cios, podem-se incluir dist√ļrbios neurol√≥gicos, hematol√≥gicos e respirat√≥rios, al√©m de possu√≠rem rela√ß√£o direta com alguns tipos de c√Ęncer e alergias, principalmente as sem causas ‚Äėaparentes‚Äô.

Ainda segundo o especialista em controle de qualidade dos alimentos, j√° se observou a presen√ßa de DDT e outros agrot√≥xicos organoclorados no leite materno. Em gestantes, estudos tem demonstrado que alguns agrot√≥xicos utilizados como herbicidas simulam horm√īnios sexuais e interferem na forma√ß√£o do sistema reprodutor e determina√ß√£o do sexo durante a forma√ß√£o embrion√°ria. ‚ÄúO uso de agrot√≥xicos na lavoura √© semelhante ao uso de antibi√≥ticos de maneira indiscriminada pela popula√ß√£o humana, ou seja, com o uso cont√≠nuo, a praga da lavoura se torna resistente ao agrot√≥xico, obrigando o agricultor a utilizar agrot√≥xicos mais potentes para extermin√°-la‚ÄĚ, informa.

Mas, ent√£o, s√≥ dever√≠amos consumir alimentos org√Ęnicos? Idealmente, sim. At√© as frutas da esta√ß√£o, que s√£o as mais indicadas para consumo, pois as condi√ß√Ķes clim√°ticas s√£o prop√≠cias para o seu cultivo, n√£o garante integralmente que ela est√° isenta de agroqu√≠micos, se n√£o for cultivada de forma org√Ęnica. De acordo com o Programa de An√°lise de Res√≠duos de Agrot√≥xicos da Anvisa (Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria), os alimentos cultivados em Pernambuco que tem apresentado as maiores concentra√ß√Ķes de agrot√≥xicos s√£o: piment√£o, uva, pepino, morango, mam√£o, cenoura e abacaxi. J√° os mais satisfat√≥rios para o consumo humano no nosso estado, tamb√©m informado por essa fonte, est√£o o alface, batata, arroz, cebola, feij√£o, laranja, ma√ß√£, manga e repolho.

Mesmo assim, como dito acima, para melhor qualidade de vida o ideal √© ir em busca de alimentos org√Ęnicos. Mas tamb√©m tem se ouvido falar que alguns locais e produtores chegam a vender falsamente produtos org√Ęnicos. Entre as dicas de F√°bio Portella para diferenciar alimentos com agrot√≥xicos, sempre desconfiar das frutas muito ‚Äúbonitas e perfeitas‚ÄĚ. ‚ÄúNaturalmente, a superf√≠cie de todos os vegetais apresenta irregularidades. Nem todas as frutas s√£o iguais, como √© a apar√™ncia daqueles com agrot√≥xicos. E tente dar prefer√™ncia √†s frutas da esta√ß√£o‚ÄĚ.
Outra sugest√£o √© ir atr√°s dos selos de certifica√ß√Ķes. Isso porque para que possam comercializar seus produtos no Brasil como org√Ęnicos, os produtores devem se regularizar atrav√©s da obten√ß√£o de uma certifica√ß√£o por um Organismo da Avalia√ß√£o da Conformidade Org√Ęnica (OAC), credenciado junto ao Minist√©rio da Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento ‚Äď MAPA, ou organizar-se em grupo e cadastrar-se junto ao MAPA para realizar a venda direta sem certifica√ß√£o.   
 
* O Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE) √© uma institui√ß√£o com mais de 10 anos de atua√ß√£o e com expertise em cursos de p√≥s-gradua√ß√£o na √°rea de sa√ļde. Atualmente, possui mais de 90 cursos e p√≥s-gradua√ß√£o e extens√£o e unidades em Pernambuco, Alagoas, Cear√° e Bahia.
 
** F√°bio Portella √© bi√≥logo, mestre em Biotecnologia de Produtos Bioativos e professor de cursos de gradua√ß√£o e p√≥s-gradua√ß√£o.  Juntamente com os professores Neide Shinohara, F√°tima Padilha e Victor Cabral, do departamento de Controle de Qualidade do Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE), √© autor do artigo Inseguran√ßa Alimentar no Uso Indiscriminado de Agrot√≥xicos, que publicado na revista Higiene Alimentar.
 
SERVIÇO | INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL


 
tags:






Comentários (0):


ANTES DE ESCREVER O SEU COMENTÁRIO, LEMBRE-SE:
Todo e qualquer comentário postado neste site é de exclusiva responsabilidade do autor. Comentários com conteúdos impróprios, obscenos ou que não tenham relação com o conteúdo serão excluídos. Dê a sua opinião com responsabilidade!
Comentários

Deixe o seu comentário:

Nome:


E-mail (não será publicado):


Mensagem:


enviar















Siga-nos nas Redes Sociais